O casamento do Professor Girafales com Dona Florinda

O casamento do Professor Girafales com Dona Florinda foi um evento que mobilizou todo o cortiço.

Naquela tarde de verão Quico, ansioso, brincava sozinho no pátio com seu triciclo sabendo de um evento que o tornaria um menino ainda mais feliz. Prestes a completar dez anos de idade, ainda sem receber a bola quadrada, entraria na igreja para o casamento de sua mãe com o professor Girafales, vulgo Professor Lingüiça.

Uma bolada rapidamente voou do outro pátio e o acertou na cabeça, derrubando-o. Um chute certeiro de Chaves.

— Foi sem querer querendo. — Disse Chaves enquanto vinha pelo corredor próximo da casa de Dona Clotilde.

— Chaves, seu filho da puta. Você sempre me acerta. Vou contar pra minha mãe. — Gritou Quico, em fúria. — Só não te bato porque hoje minha mãe vai casar. — Continuou.

— Com o professor Lingüiça? — Perguntou Chaves enquanto o Professor aparecia pelas suas costas. — Já estava na hora do “quilômetro parado” ter coragem de pedir sua mãe em casamento, né? — Completou.

— Chaves, não fale isso do Professor, agora ele será meu papi. — Rebateu Quico, sabendo da presença do professor.

— Como é que é, Chaves? Quem é Quilômetro Parado? — Berrou o professor.

— Desculpa, professor, não sabia que o senhor iria se casar com a Velha Carcomida.

— Tá! Tá! Tá! Tááá! Quem é Velha Carcomida? — Berrou o professor, jogando o buquê de flores que trazia ao chão. — Chaves, a próxima vez que chamar a Dona Florinda de Velha Carcomida vou dar um tiro na sua cabeça com a carabina do Seu Madruga.

—  Professor, o senhor está muito agressivo. — Rebateu Chaves.

— Desculpe, Chaves. Mas, estou muito ansioso… Hoje me caso com a Velha Carc… digo, Dona Florinda. Quero saber se está tudo ok, se todos foram convidados, o Seu Madruga, Chiquinha, Bruxa do Setent… — Enquanto dizia isso, Dona Clotilde lhe aparecia.

— Quem é Bruxa do Setenta e Um, Professor? — Perguntou, agressiva.

— Desculpe, Dona Clotilde, é que vou me casar e estou ansioso e…

— Tudo bem, professor, estamos indo em instantes para a igreja da esquina afim de ver seu casamento. Irei com o Seu Madruga, aiin. — Disse, suspirando.

De repente Chiquinha chega, toda chique, gritando ao Chaves: — Chaves, não conte ao professor que pegou a velha lhe metendo chifre ontem no açougue.

— Cala a boca, Chiquinha. O professor já sabe.

— Quê? — Gritou o velho Lingüiça. — Dona Florinda me meteu um chifre?

— Não, desculpa, professor. Quem me contou foi o Espiriquidiberto. — Respondeu Chaves.

— Quê? Quem é Espiri… — Perguntou o professor.

— É um amigo meu que se parece muito comigo….

— E como é o nome dele? — Perguntou Chiquinha, consternada.

— O nome dele?

— Sim.

— O… nome dele?

— Sim…

— O nome dele?

— Ai, cale-se, cale-se, cale-se que você me deixa loooouco! — Berrou Quico.

— Ninguém tem paciência comigo.

— NÃO! — Rebateu Quico.

— O nome dele é Chafundifórnio. — Respondeu Chaves.

— Não, é não, Chaves. Não foi isso que você disse.

— O apelido dele é Senti.

— Não, Chaves. Não foi isso que você disse.

— Vai se foder, Chiquinha. Cuida dos seus assuntos, sua vagabunda piranha. Dos meus amigos cuido eu.

— Chaves! Seu moleque de rua, delinqüente, não pode ficar falando palavrão! Tá tá tá táááá! — Gritou o professor.

— Vai se foder você também, velho Lingüiça.

Durante a discussão, Seu Madruga vinha trazendo a carabina para colocar medo no Chaves, mas este deu uma bolada na cabeça do Seu Madruga e tomou a carabina.

— Vou atirar na cara de todos vocês, seus filhos da puta. Eu sou oprimido pelo sistema e vocês são burgueses opressores.

— Chaves, do que está falando? — Disse, o professor, amedrontado.

— Professor, o senhor nos ensinou sobre a mais valia, sou produto do sistema em que sou criado. Pi pi pi pi pi.

— Por favor Chaves, abaixe essa arma.

— Vai se foder, professor. —  Gritou Chaves enquanto atirava em direção ao rosto do professor que caía ao chão. A poça se sangue aumentava e contornava o barril. Todos estavam atônitos.

Dona Florida saía de sua casa vestida de noiva assustada com o disparo e correu em direção ao corpo do amado.

— Não, professor, por que me deixou? — Gritou em prantos, Dona Florinda.

Chaves não demonstrava remorso, apenas frieza, enquanto saía da vila portando a carabina enquanto Quico ia para a parede chorar o desatino de Chaves e a queda de seu ex-futuro pai.