Harry Potter e o pó mágico do mundo dos trouxas

Harry Potter e o pó mágico do mundo dos trouxas
Harry Potter e o pó mágico do mundo dos trouxas

Havia se passado dois anos desde a morte de Lord Voldemort. Harry Potter, Hermione Granger e Rony Weasley não tinham muito o que fazer no mundo dos bruxos. Algumas leis estranhas começaram a vigorar no mundo da magia depois das trocas no ministério da magia e na diretoria da escola de magia e bruxaria de Hogwarts.

As varinhas foram proibidas com o estatuto da desvarinização que visava diminuir a violência causada por pessoas portando varinhas e o estatuto das vassouras, que determinava velocidade máxima de 40 km/h no céu público do mundo dos bruxos. Uma série de radares mágicos foi instalado nos céus para monitorar a velocidade das vassouras.

Uma enorme estátua de Harry Potter foi feita em bronze na entrada de Hogwarts, mas, ninguém se lembrava mais da história. Com o pouco uso de magia em função das proibições e a necessidade de glória, Harry Potter começou a buscar a magia no mundo dos trouxas, e através de seu primo Dudley descobriu um pó “mágico” chamado cocaína.

Gina Weasley não tinha mais muito interesse afetivo em Harry Potter, apesar de que, no fundo ainda se gostavam. Harry havia emagrecido doze quilos. Gina estava saindo com um ogro, o primo do Ogro que Harry enfrentou em sua jornada para destruir a pedra filosofal.

Rony Weasley se distraia enquanto Hermione Granger fazia mestrado em poções, havia descoberto a pedra de crack numa viagem ao mundo dos trouxas junto com Harry. Hermione de tão ciumenta que havia se tornado, enviava cartas a Rony fingindo-se passar por outra pra ver se ele se manteria firme. Rony acabou se apaixonando pela falsa pretendente e terminou com Hermione e entrou em depressão em função das cartas terem parado de chegar refugiando-se assim no crack.

— Ei, Harry. Vamos dar uma cheirada naquele pó? — Gritou Rony ao encontrar Harry numa visita a escola de magia e bruxaria de Hogwarts. Os dois se direcionavam a sala precisa para poder usar drogas sem ser incomodado.

— Demorou, Rony. Vamos dar uma cheirada. Queria poder fazer uma mágica pra gente ficar doidão, mas, as varinhas estão proibidas… Poderiam nos levar para Azkabam. — Chorou Harry.

— As vezes tenho saudades da Hermione. Boas lembranças… Mas não posso perdoá-la por ter tentando me enganar.

— Você foi otário.

— Eu não fui otário, eu sou otário. É por isso que estou aqui cheirando com você.

Harry Potter havia se desiludido com o mundo da magia, e o excesso de leis no mundo dos bruxos, na tentativa de evitar um novo “Você sabe quem”, tornou a magia perigosa e desinteressante.

Harry Potter preferia ter morrido no lugar de Voldemort a viver num mundo sem magia e totalmente sem graça.